free slots

free slots - MPF faz acordo para coibir venda casada do Pronaf

MPF faz acordo para coibir venda casada do Pronaf

Banco do Brasil em Santo Ângelo terá de pagar R$ 100 mil e compensar clientes que foram lesadosO Ministério Público Federal (MPF) no município de Santo Ângelo, Rio Grande do Sul, fechou um acordo com o Banco do Brasil para encerrar uma ação civil em que a agência da cidade era acusada de praticar “venda casada” de produtos no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Fonte: Divulgação/Agência Brasil

Segundo o acordo, o Banco do Brasil terá de depositar R$ 100 mil em conta judicial, que será repassado a programas sociais que beneficiem pequenos agricultores da região. O banco também terá de implementar e aprimorar mecanismos que inibam a associação da concessão de financiamento no âmbito do Pronaf à comercialização de produtos e serviços.

• Veja também: Ainda há crédito pelo Pronaf, diz governo

Ele prevê ainda a obrigatoriedade da agência em veicular mensagem nos rodapés dos extratos de conta corrente dos clientes público-alvo do Pronaf durante 90 dias corridos ou intercalados dizendo: “o Banco do Brasil não pode condicionar a liberação do Pronaf à aquisição de outros produtos. Na dúvida, procure sua agência (MPF, ACP 3975-30.2014)”.

Durante esse período a agência destacará funcionário para prestar esclarecimentos aos clientes e lidar com casos que aparecerem.

Para o procurador da República que atuou no caso, Osmar Veronese, tão importante quanto coibir a prática de “venda casada” – que embute “produtos parasitas” como seguros de vida, títulos de capitalização, abertura de contas correntes, como condição ao acesso a crédito oficial – é deixar claro que a fiscalização está atenta a essas práticas abusivas e criar uma cultura de respeito nas relações de consumo.

Sair da versão mobile
free slots Mapa do site